É injusto cobrar dos que ganham mais o mesmo dos que ganham menos, diz presidente do Sisma

Segundo o sindicalista, a medida é injusta principalmente para os aposentados.

em 17/01/2020

GUSTAVO CASTRO

REDAÇÃO

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde do Estado de Mato Grosso (Sisma-MT), Oscarlino Alves, em entrevista à Rádio Capital FM na manhã desta sexta-feira (17), comentou sobre os efeitos da Reforma da Previdência aprovada recentemente pelos deputados da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). Segundo o sindicalista, a medida é injusta principalmente para os aposentados, uma vez que, com a nova regra, os que ganham mais vão pagar o mesmo dos que ganham menos.


Presidente do Sindicato Servidores Públicos da Saúde, Oscarlino Alves / Foto: Capital Notícia

"“Tributar os aposentados da forma como foi posto é um critério muito injusto, eu diria até desleal. A União aplica uma alíquota progressiva, de 7,5% a 22%. Aqui em Mato Grosso será uma alíquota linear. Qualquer um que ganhar a partir de R$ 3 mil será tributado em 14%”, justificou Alves.

Na última sexta-feira (10), os deputados aprovaram, em segunda votação, a reforma da previdência. Dos 24 parlamentares estaduais, 16 votaram a favor e 7 foram contra. Com a nova regra, agora a alíquota passa a ser 14%. O texto aprovado não foi o mesmo enviado pelo governo do estado. Nele, houve algumas as modificações, como a isenção dos aposentados que recebem até R$ 3 mil.

Alves ainda aproveitou para questionar e criticar a reforma para os militares. No caso destes servidores, a contribuição será de 9,5% já em janeiro deste ano, e em janiero de 2021, o percentual sobe para 10,5%.  Para o presidente do Sisma de Mato Grosso, é injusto pensar que a categoria tiveram diferenciações. "O propósito é claro: manter a situação para que qualquer tipo de manifestação dos trabalhadores permaneça dentro de um contexto de ordem”, lamentou o sindicalista.

Ouça na íntegra o aúdio da entrevista com o presidente do Sindicato Servidores Públicos da Saúde, Oscarlino Alves:

Áudio


Tags

Deixe seu comentário!


Mais Notícias