Além disso, o chefe do Executivo estadual ainda frisou que o estado não deve intervir nas decisões.

Após parte de decreto ser parcialmente suspenso, Mendes defende que cada prefeito decida sobre medidas

Por Gustavo Castro

Após decisão da Justiça de suspender, parcialmente, medidas adotadas para enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19) em Mato Grosso, o governador Mauro Mendes (DEM) muda o discurso e afirma que cabe ao prefeito de cada município decidir sobre suposto 'toque de recolher' e abertura de comércio. Além disso, o chefe do Executivo estadual ainda frisou que, nestes casos, o estado não deve intervir.

“É impensável adotar as mesmas medidas em São Paulo, em Cuiabá e em uma cidade que não tem nenhum caso. O governo do Estado deu orientação, por meio de decreto, de como isso deve acontecer. Mas o Ministério Público e o Tribunal de Justiça entenderam que isso é papel dos municípios. Então, agora, quem decide o que abre e o que fecha são os prefeitos”, salientou o governador, em entrevista coletina nesta segunda-feira (6).

Governador Mauro Mendes (DEM) diz que não questionará decisão da Justiça — Foto: Christiano Antonucci/Secom-MT
Mauro Mendes (DEM) em entrevista coletiva nesta segunda-feira (6) / Foto: Secom-MT

Mendes decretou, no dia 26 de março, a abertura de comércio, desde que as empresas seguissem orientações de segurança, como uso de álcool em gel e outros, a fim de se combater a coronavírus.

No mesmo dia, porém, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), indo na contramão do decreto de Mendes, e assinou decreto para que o comércio se mantivesse fechado.

Já em 29 de março, o desembargador do TJMT (Tribunal de Justiça de Mato Grosso) Orlando Perri, derrubou parte do decreto, principalmente nos meios de transportes e comércio, para que seguissem o decreto municipal. 

Na coletiva de hoje, Mendes afirmou que o decreto era uma forma de orientar os municípios sobre as medidas durante o período de pandemia do novo coronavírus.

(Com informações do G1)

Leia também

Deixe seu comentário!