Estudo afirma que carne vermelha não está associada a doença cardíaca, câncer ou morte prematura

Pesquisa foi realizada em 21 países diferentes

Um estudo recente publicado no American Journal of Clinical Nutrition não relata nenhuma associação entre comer carne vermelha e o risco de morte prematura, doença cardíaca, câncer ou derrame.

Este é um estudo de corte prospectivo em grande escala com populações mais diversas e padrões amplos de dieta do que estudos relatados anteriormente. Inclui informações sobre as dietas e resultados de saúde de 134.297 pessoas de 21 países nos 5 continentes.

Embora ainda seja um estudo de epidemiologia nutricional que não pode provar causa e efeito, não parece ter o “viés do usuário saudável” usual entre os diferentes grupos de consumidores de carne.

O que é preconceito do usuário saudável?

Em estudos epidemiológicos relatados anteriormente sobre os “perigos” da carne vermelha, aqueles que comiam mais carne vermelha eram em geral menos saudáveis. Eles consumiram mais calorias, fumaram mais, beberam mais álcool e se exercitaram menos.

Mas os resultados deste estudo não sofreram da mesma diferença dramática nas características de base entre os participantes que comem e não comem carne.

Talvez a população multinacional neste estudo tenha cancelado o preconceito inerente ao usuário saudável que ocorre em muitas sociedades ocidentais que, por muitos anos, disseram que a carne vermelha é “ruim” para nós.

Embora a carne processada tenha uma associação mais forte do que a carne menos processada, a taxa de risco (variando entre 1,3 e 1,8) ainda era pequena. Se esse é um risco significativo, ainda não foi provado definitivamente.

A carne faz parte da dieta de nossos ancestrais há milhões de anos. Quando consumida com uma dieta saudável, a carne tem algumas das proteínas e nutrientes mais biodisponíveis.

Fonte: Apsey Family Farms, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Leia também

Deixe seu comentário!