Teve município que recebeu apenas 40 doses de CoronaVac

Gilberto confirma que não há vacinas suficientes para grupos prioritários

O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirmou nesta quinta-feira (21.01), em entrevista ao Jornal da Capital, da Rádio Capital FM, que para a primeira etapa de vacinação não haverá vacina suficiente para profissionais da saúde e idosos. Segundo o gestor, teve município que recebeu apenas 40 doses de CoronaVac e caberá aos prefeitos selecionar os prioritários dentro dos grupos definidos pelo Ministério da Saúde.

 “Não há vacina pra todo mundo e estamos priorizando de acordo com a escala de risco. O número de vacinas disponíveis neste momento é um pingo na chapa. São quatro grupos prioritários, os trabalhadores da saúde são um, outros são indígenas aldeados e para eles são 60 mil doses exclusivas, e dois grupos de pessoas que são os idosos de 60 anos internados em casas de recuperação e asilo e pessoas com deficiência internadas em unidades de recuperação. Existe vacina proporcional a esse público, mas não é para todos os idosos. Tem município que recebeu 10 mil doses e tem município que recebeu 40”, explicou Gilberto.

Segundo o secretário, o percentual de doses enviadas aos municípios foi discutido com os secretários municipais. Ele lembrou ainda que cabe ao Governo do Estado receber as doses enviadas pelo Governo Federal e fazer a distribuição, sendo responsabilidade dos gestores municiais a execução dos planos de imunização.

“O procedimento de vacinação, o ato de vacinar é uma atribuição municipal. Nossa atribuição é de fazer logística e distribuição. Ao final do dia de hoje todos os municípios do Estado já terão a vacina. Em menos de 48 horas vamos vencer nossa atribuição de entregar as vacinas aos municípios”, asseverou.

Gilberto explicou ainda que o governador Mauro Mendes tem trabalhado para tentar viabilizar a compra de vacinas. “Abrimos essa negociação e ao prospectar a negociação direta o grande problema é que a vacina é pleiteada pelo mundo e existe uma relação diplomática que a maioria dos laboratórios querem atender a demanda do Governo Federal. De qualquer maneira o governador tem mantido contato. Neste momento só temos expectativa, a mais curto prazo, de receber vacinas dentro do plano Nacional de Imunização”.

Nessa quarta, o governador pediu auxílio do Instituto Sociocultural Brasil China (Ibrachina) para que o Governo de Mato Grosso consiga adquirir 1 milhão de doses de vacinas produzidas por indústrias farmacêuticas Sinovac (que produz a Coronavac junto ao Butantan) e Sinopharm (cuja vacina está sendo usada na China). O pedido foi feito em razão de o Estado depender do Governo Federal para imunizar a população e ainda não há data definida para o envio da segunda remessa das vacinas.

Leia também

Deixe seu comentário!