saiba mais

Guerra perdida: fotógrafo Mario Friedlander descreve cenas de apocalipse no Pantanal e despreparo

*Mirella Duarte

O fogo consome de forma rápida as paisagens e a sensação é de apocalipse. Algumas pessoas, incluindo pantaneiros e voluntários de Ongs, tentam inibir o fogo há mais de 60 dias. Todas as batalhas foram perdidas. É o que narra o fotógrafo Mario Friedlander, que após voltar de uma saga no pantanal, de documentar esse intenso momento, conta o que viu para ao 

_Foto Mario Frienlander

Animais que restaram tem patas queimadas e parecem isolados e n�o tem para onde fugir

Animais que restaram estão com as patas queimadas. Além de isolados, não tem para onde fugir. Perdidos no fogo

Além do cenário nada esperançoso e deprimente, ele comenta que, apesar de idas e voltas do Pantanal há alguns anos, nunca se preocupou tanto. "A gente viu muitas equipes especializadas do Governo Estadual e Governo Federal, muitas viaturas e equipamentos, mas não vimos nenhum entrosamento entre essas equipes. Não vi grandes estratégias de combate ao fogo ou eles aproveitando o conhecimento do povo pantaneiro", conta.

 

Friedlander reforça que o pantaneiro conhece a paisagem e como o fogo se movimenta nos campos, mas que em nenhum momento essas forças buscaram a opinião desses populares que já conhecem o Pantanal. Além disso, há um número enorme de peões, gerentes e fazendas e outros que se importam com o Pantanal entrando em confronto com o fogo, e que essas pessoas parecem ter saído de um cenário de guerra, cheios de cinzas, esgotados pela luta.

Peões valentes e soldados limpinhos

Para o fotógrafo é assim que se distingue quem é "valente" e quem não é, pois nota um número grande soldados enviados com as fardas limpas, bem penteados, com carros de todas as cores e siglas, todos limpos também. Pessoas que parecem perdidas meio ao caos, não somatizam, pois não tem estratégia e nem conhece a mata que entram. "O que vimos foram peões e pessoas pessoas defendendo suas terras e as terras de seus vizinhos. Todo mundo trabalhando, de gerente a peão. Algumas pessoas com mais de sessenta dias em combate ao fogo, sabe o que é isso? De todos esses dias, nenhuma vitória, a única conquista é o adiamento do fogo em suas propriedades. 

_Foto Mario Frienlander

Pe�es, fazendeiros e outros se misturam �s chamas para tentar salvar vidas e propriedades

Peões, fazendeiros e outros se misturam às chamas pra salvar vidas e propriedades. Fotógrafo ajuda e registratudo

Ele comenta das dezenas de fazendas, pousadas e outros locais consumidos pelo fogo. Além disso, o destaque para as pontes de acesso, que tem outro grande equivoco que já se repetiu inúmeras vezes das equipes enviadas pelos governos. "Se eles limpassem o matagal e não jogassem madeiras em baixo das pontes, o fogo não chegaria, mas eles esperam o fogo chegar para combater", reflete.

*Leia a matéria completa no:

https://www.rdnews.com.br/cidades/guerra-perdida-fotografo-descreve-cenas-de-apocalipse-no-pantanal-e-despreparo/133631

Leia também

Deixe seu comentário!