Já dei meu parecer favorável ao BRT, diz Kalil sobre possível plebiscito para decidir modal

O prefeito de VG já deixou claro que não deve mudar de opinião e que continuará a favor do BRT.

O prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat (MDB), voltou a afirmar ser favorável ao BRT (Bus Rapid Transit) como modal de transporte entre o município e Cuiabá. A reposta veio após jornalistas o questionarem sobre o convite do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), de Cuiabá, para criar um projeto de plebiscito também no município. Segundo ele, o chefe do Alencastro ainda não formalizou o convite, mas já deixou claro que não deve mudar de opinião.

 “Eu já me mostrei, dentro do CODEM (Conselho Deliberativo Metropolitano da Região do Vale do Rio Cuiabá), favorável ao BRT, justamente por conta dos estudos técnicos e jurídicos que houve e que foram apresentados para a gente e eu dei meu parecer favorável ao BRT. Pela economia que o BRT traz, o atendimento a outros bairros e pela rapidez da obra. (...) Cabe ao prefeito Emanuel Pinheiro convidar. A última audiência que teve na Câmara a nossa equipe participou, que foi debatida e discutida e mantemos a nossa opinião”, disse o gestor, durante evento de entrega de uma escola Estadual, junto ao governador Mauro Mendes (DEM), nesta segunda-feira (17.05).

Defensor do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), Emanuel Pinheiro confirmou que sua base na Câmara dos Vereadores pretende criar um projeto de plebiscito para discutir sobre a troca do modal. Conforme ele, as conversas já estão bem avançadas com os vereadores Mauro Nadaf, Dídimo e Kássio Coelho, além do presidente da Câmara, Juca do Guaraná (MDB). O prefeito afirmou também que Várzea Grande pode fazer o mesmo, e que o valor jurídico dessa escolha será discutido posteriormente, pois, neste momento, “o mais importante de tudo é o valor democrático”.

A decisão de criar um plebiscito veio após a audiência pública, realizada no último dia 07 pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), que, segundo o prefeito, não cumpriu sua finalidade, já que impediu a efetiva participação dos interessados, “inviabilizando o debate acerca do relevante tema, objetivo maior do evento, em evidente descumprimento da decisão judicial exarada em ação civil pública movida pelo município de Cuiabá”.

Além disso, Emanuel justifica que não existe um projeto executivo para o BRT, e que isso inviabiliza qualquer comparação com outro modal de transporte e impede qualquer alegação no sentido de que o BRT terá tarifa mais baixa e é a melhor solução de mobilidade urbana a ser implementada entre Cuiabá e Várzea Grande.

Kalil confirmou a não existência do projeto, mas disse que o arquiteto e engenheiro Rafael Detoni apresentou uma maquete para mostrar como deve ficar o modal.

“Projeto do BRT não tem. Tem um projeto de maquete que foi mostrada, mas a legislação dispensa um projeto executivo. Foi apresentada uma maquete pelo arquiteto e engenheiro Rafael Detoni. Isso não sei responder, tem que ver com a equipe técnica”, encerrou Kalil.

Leia também

Deixe seu comentário!