Ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, disse em entrevista coletiva que a paciente era uma mulher de cerca de 80 anos.

Japão confirma primeira morte por Covid-19; é a segunda fora da China

G1

O Japão confirmou a primeira morte no país por Covid-19, doença respiratória provocada pelo novo coronavírus. Nesta quinta-feira (13), ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, disse em entrevista coletiva que a paciente era uma mulher de cerca de 80 anos, moradora da região metropolitana de Tóquio.

A capital japonesa será a sede das Olimpíadas de 2020, que começam em 24 de julho. Na semana passada, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, garantiu ao Parlamento que não haverá alterações no calendário das competições por conta da epidemia de coronavírus.

Uma comissária de bordo passa por scanners de temperatura corporal e um quadro de avisos sobre coronavírus no aeroporto internacional de Narita, perto de Tóquio, na quinta-feira (23) — Foto: Eugene Hoshiko/AP
Foto: Eugene Hoshiko/AP

O Ministério da Saúde do Japão disse ainda que "ainda não está clara" a relação da morte da idosa com o coronavírus, mas informou que o teste para identificar a infecção deu positivo para Covid-19. A pasta disse ainda que não dará mais detalhes sobre a paciente.

Esta foi a segunda morte por complicações respiratória provocadas pelo novo coronavírus fora da China, a primeira aconteceu na semana passada nas Filipinas.

Na China, o número de casos confirmados da doença subiu para 59,8 mil, de acordo com o balanço mais recente. No levantamento anterior, de quarta-feira (14), eram 44,7 mil casos – foi um aumento de 33,87%. Ao todo, 1.368 pessoas morreram por Covid-19, incluindo um caso no território semiautônomo de Hong Kong.

O crescimento no número de registros está ligado à mudança na metodologia: agora, são aceitos relatórios clínicos dos sintomas para enquadrar o paciente como caso suspeito. Antes, era necessário esperar a confirmação de um exame laboratorial. A mudança ocorre em meio à decisão do governo chinês de trocar autoridades da área de saúde devido a falhas na resposta ao surto.

Leia também

Deixe seu comentário!