Dirigente partidário entrou com ADI que derrubou Mesa da AL

‘Foi uma vitória heroica para política de MT’, diz presidente da Rede

O presidente estadual do partido Rede Sustentabilidade, Eron Cabral, classificou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em suspender a eleição da mesa diretora da Assembleia Legislativa, acatando a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ajuizada pela sigla, como uma vitória heroica para a política de Mato Grosso.

A decisão desta segunda-feira (22.02), também determinou que uma nova eleição seja marcada para definir os membros da mesa diretora da casa de leis.

“Ainda não tive o acesso ao teor de toda decisão, mas já conversei com os advogados e vejo que foi uma vitória heroica para política de Mato Grosso”, disse o dirigente partidário em entrevista ao Capital Notícia.

Ao propor a ação, o diretório mato-grossense do partido argumentou o mesmo entendimento que proibiu a reeleição para as mesas diretoras da Câmara e Senado. No ano passado, o STF proibiu que o deputado federal Rodrigo Maia (DEM) e o senador Davi Alcolumbre (DEM) tentassem reeleição.

Esta já é a segunda ação que questiona a reeleição de Botelho. A primeira foi proposta pela Confederação Nacional das Carreiras e Atividades Típicas de Estado (Conacate), mas acabou extinta pelo o ministro Alexandre de Morais, que alegou ilegitimidade da parte autora.

Em entrevista na última quinta-feira (18.02), Eduardo Botelho, que está em seu terceiro mandato como presidente da casa de leis, afirmou que estava tranquilo quanto a ação e que iria cumprir qualquer decisão do Supremo.

A atual mesa diretora é composta por Botelho como presidente, Janaína Riva (MDB), como primeira-vice, Max Russi (PSB), como primeiro-secretário, além de Wilson Santos (PSDB), como segundo vice-presidente, Valdir Barranco (PT), como segundo-secretário, Delegado Claudinei (PSL), como terceiro-secretário e Paulo Araújo (Progressistas), como quarto-secretário.

 

Leia também

Deixe seu comentário!