Prefeitura garante Astrazeneca para aplicação de segunda dose em Cuiabá

Pelo menos cinco estados brasileiros sofrem com a falta do imunizante para a aplicação da segunda dose
Foto: Davi Valle/ Sicom

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) garante que todas as pessoas que receberam a primeira dose da Astrazeneca será vacinada com a segunda dose do mesmo imunizante. Isto porque, diferentemente do que acontece em outros estados, onde há falta do imunizante, Cuiabá tem estoque suficiente para pelo menos até o fim deste mês. 

Pelo menos seis estados brasileiros sofrem com a falta do imunizante para a aplicação da segunda dose em pessoas que já tomaram a primeira. Essa não é a realidade de Cuiabá, que já recebeu mais de 110 mil doses da vacina para aplicação da segunda dose, como explica a coordenadora da campanha de vacinação do município, Valéria de Oliveira.

"Nós recebemos 153.724 doses de Astrazeneca para primeira aplicação e 112.520 para segunda, que estão sendo utilizadas. Ou seja, falta recebermos 41.204 doses de Astrazeneca para terminarmos o esquema vacinal de quem tomou a D1 com este imunizante. Mas todas D2 que recebemos até hoje estão asseguradas para os cuiabanos”, disse Valéria.

A coordenadora ainda explica que uma situação preocupante que começou a acontecer na capital é a de pessoas de cidades do interior, onde o imunizante já está em falta, começarem a ir aos polos de vacinação de Cuiabá tentando tomar a segunda dose da Astrazeneca. De acordo com Valéria, agora, o controle será rigoroso, justamente para não ocorrer a falta do imunizante para àqueles que tomaram a primeira dose no munícipo.

FALTA DE DOSES

Pelo menos seis estados brasileiros sofrem com a falta do imunizante para a aplicação da segunda dose: São Paulo, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Tocantins, Rondônia e Mato Grosso do Sul. São Paulo, por exemplo, zerou o estoque e anunciou que vai aplicar a vacina da Pfizer no lugar da segunda dose da AstraZeneca. Com isso, cerca de 340 mil pessoas da capital, São Paulo, ficaram sem o imunizante.

Conforme a secretaria de saúde paulistana, não há previsão para a retomada da imunização. Devido a isso, autoridades trocam acusações. Enquanto o governo de SP diz que recebeu um milhão de doses a menos, o Ministério da Saúde afirma que entregou todas as doses e que o problema, na verdade, foi a utilização da AstraZeneca destinada à segunda dose para imunizar as populações mais jovens.

A vacinação com o imunizante da AstraZeneca está totalmente paralisada desde sexta (10.09). Para quem precisa da segunda dose, já foi liberada a substituição pela vacina da Pfizer, a partir desta segunda-feira (13.09), porém, as doses disponíveis, para isso, podem não ser suficientes.

Leia também

Deixe seu comentário!